Livro lido – O monge negro, de Anton Tchekhov

2A5C159D-114E-462A-A8DB-3F5A60EE888A

Título: O monge negro

Título original: Tchiornii Monarkh

Autor: Anton Tchekhov (RÚSSIA)

Tradução: Moacir Werneck de Castro

Editora: @roccodigital

Ano de lançamento: 1894

Ano desta edição: 2014

Páginas: 88

Classificação: ⭐️⭐️⭐️

_______________________________________________

“Repito: se quer ser saudável e normal, marche com o rebanho” (Posição no Kindle 348).

“Agora me tornei racional e sólido, mais igual a todo mundo: sou uma mediocridade, para mim é difícil viver” (Posição no Kindle 478).

Foi no já distante junho de 2016 que li a pequena coletânea “A corista e outras histórias”, do escritor russo Anton Tchekhov. Na ocasião, tinha me prometido investir mais em outros livros seus, magra e parca minha incursão na obra de um dos maiores novelistas da literatura russa. Como é perceptível, o lapso é enorme. Ai de mim!

Em “O monge negro”, conhecemos a rápida trajetória de Kovrin, um intelectual russo que, devido a um esgotamento, passa uns dias na pequena chácara de um antigo tutor seu. Numa noite, Kovrin vê a estranha figura de um monge, a cuja face enegrecida o deixa inquieto. O monge traz em sua estranha fala, a certeza de que o personagem é um ser excepcional, iluminado, um verdadeiro gênio. É a primeira de muitas entrevistas que terá com o estranho monge, até que, meses depois de já estar casadp com Tânia, a filha de seu antigo mestre, é alertado de que tem conversado “sozinho” pelas madrugadas…

Não há como não causar estranheza um enredo assim, inclinado para o fantástico. Mas, numa reeleita, é possível perceber que o escritor russo foi bastante além de uma mera historieta curta e simplória, mas trata dos processos internos da mente humana, matéria que ganharia notoriedade bem mais tarde, com o advento da psicanálise.

Ainda assim, o grau de significação é bem mais abrangente: desde um relato simbólico da “grandeza” que cada pessoa percebe em si, até questionar até que ponto a loucura pode de alguma forma trazer sentido ao ato de existir.

Tolstói, o maior escritor russo de todos os tempos, abarcou em boa parte de sua obra, o atraso tecnológico de seu país, predominantemente agrícola, diante de nações que já dominavam técnicas e máquinas. Não paro de pensar que Tchekhov tenha usado essa espécie de alegoria como um retrato satírico dessa condição…

Como se vê, uma novela com ares pueris, é capaz de suscitar tamanhas significações, o que só me traz a certeza de que preciso ler mais Tchekhov. Vale!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: